sábado, 30 de abril de 2011

Prêmio Versatilidade


É surpreendente como a vida em comunhão entre blogs nos faz mais poeta, aproxima-nos contagiantemente numa velocidade e numa comunicação inigualáveis. Este prêmio é distribuído ao "blogueiro versatil", aquele que transpõe sua idiossincrasia, dando forma, sabor, experiência a um eu-lírico que clama por novos horizontes e desafios metamórficos.



Minha Amiga Cátia, do Blog: Cátia Bosso Poesias, me dedicou este belíssimo prêmio, Desejo então agradecê-la pela delicadeza, também pelo carinho e pelos ideais afins. Muito obrigado.


As regras para receber o prêmio estão dispostas logo abaixo:
1.Agradecer e linkar de volta o blogueiro que te enviou o prêmio.
2.Divida 7 coisas sobre você.
3.Premiar outros 5 a 15 blogueiros.
4.Entre em contato com esses blogueiros para avisar sobre os prêmios e para que eles levem o selo da versatilidade para seu blog e distribua a outros colegas blogueiros.


Então, agora, vamos aos sete prazeres da minha pessoa:
1-Meu grande amor platônico, minha fonte de Inspiração, minha eterna Margarida.
2- Adoro escrever, sem ter medo de deixar os sentimentos fluírem.
3- Amo pizza, qualquer uma, sendo pizza já tá valendo.
4-Amo minha família.
5-Amo meus cachorros: Billy, Espeto e Jully.
6- Sou São Paulino de coração e amo meu time.
7-Amo livros. 
 
Cheguei ao final da brincadeira que estimula a autobiografia. Agora é a nobre ocasião de indicar maravilhosos blogs.
E o Prêmio vai para:


A Biografia do Fogo

Um Blog Nada Mais

Poetas Insanos

Detalhes

O Cristal de uma Mulher

Arte de Poetizar

Gritos e Sussuros
 
Muito obrigado a todos que leem meu blog e que passam por aqui. Agradeço aos que continuarem esta magnífica brincadeira que valoriza os blogueiros e seus magníficos espaços.

A todos, meu carinho, ofereço.


Abraço fraterno,

F.H.Canata
  

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Caminhando pela Vida


Um dia desses, eu resolvi caminhar pela minha vida. Logo na primeira curva, encontrei a saudade. Ela usava um lindo vestido branco, tinha os cabelos negros brilhantes e tão longos, que quase tocavam o chão. Perguntei-lhe:
-O que fazes aqui vistosa saudade?
E ela me respondeu:
-Tenho caminhado por muitas vezes em seu caminho, á espera de meu grande amor, o presente!
Pouco mais adiante, sobre uma encruzilhada, encontrei o presente. Ele estava sem camisa, usando uma bermuda florida e uma prancha de surf embaixo do braço. Disse-lhe:
-Presente, eu acabo de me encontrar com a saudade, e ela me disse que está a sua espera!
E então ele me respondeu:
-Ela sempre está atrás de mim, mais será que ela não entende, que eu não quero nada com ela? Meu irmão, o Passado, ele sim é realmente LOUCO por ela! Eu só quero encontrar uma praia e surfar um pouco!
                Logo depois de me despedir do presente, continuei minha caminhada, pensando em quantos outros malucos encontraria pelo caminho...

Moral da História:
Toda saudade, faz parte do passado. Lembranças não podem serem vividas novamente, e jamais devem impedir seu presente de ser feliz!

terça-feira, 26 de abril de 2011

Reflexão Interna


 A vida costuma dar muitas voltas. Cheia de altos e baixos.
Na maioria das vezes as fases passageiras marcam mais que épocas inteiras de momentos corriqueiros. Talvez seja porque emoções fortes sejam muito mais difíceis de serem esquecidas com o tempo.
Já passei por essa louca roda gigante milhares de vezes. E as lembranças... Essas permanecem intactas dentro do mim.
Hoje, vivo cada momento como eles devem ser vividos; intensamente.
O ontem é a parte mais recente de nós, que já não pode ser mudada. E o amanhã ainda é um misto de ilusão, realidade e esperança.
Sei que não posso ser tudo aquilo que sempre sonhei. Mais posso ser um pouco melhor a cada dia, o que já é um começo.
Às vezes as coisas mais simples parecem insanas quando vemos o mundo com os olhos da razão. Só o coração enxerga as verdades.
Talvez, seja por isso que ele sofre tanto com as decepções...
Mais se somadas, as alegrias são um número muito maior que as tristezas...
No fundo, todos nós temos nossos dois lados. As duas incógnitas imperfeitas. O que nos diferenciam, são nossas escolhas. Cada uma delas, capazes de decidir uma vida inteira...
E na minha vida; nunca me arrependi das escolhas que fiz.
Sou o que sou. E fico feliz em olhar-me no espelho, sem sentir medo de ver ali alguém que desconheço.
Acho que hoje posso perceber que estive errado este tempo todo.
... eu era feliz e nem sabia.
Por sorte; a felicidade resolveu bater em minha porta mais uma vez. E dessa vez, eu não vou a deixar ir embora tão cedo...

segunda-feira, 25 de abril de 2011

A História do Livro Roubado


                Esta é uma história sobre um fato que me aconteceu quando eu tinha oito anos.  Na época, eu já gostava de ler, mais não tinha muita criatividade e cultivava um péssimo gosto para livros. Se é que se existe péssimo gosto para leitura! Mais um belo dia, ganhei de presente de uma professora do meu colégio, um livro chamado: “Passagem para Ravena”.            
                Já faz bastante tempo que eu o li, mais suas palavras eram tão fortes e de tão similar linguagem, que me apaixonei. Ele contava a história de Lívia e Diogo, dois adolescentes que são perseguidos por um passado que não viveram, ou pelo menos que não se lembram. As memórias passadas do guerreiro medieval Dimitri vivem em Diogo, um jovem de classe média ligado em rock, gibis e que tem seus problemas de relacionamento com seu pai. E Irina, a esposa de Dimitri, é incorporada pela recatada Lívia, uma adolescente pouco vaidosa que vive em seu próprio mundo, exceto quando discute com sua irmã mais velha.
Diogo e Lívia não se conhecem, mas precisam retomar a causa de Dimitri e Irina: destruir os demônios, conhecidos como parentais, que vieram de Ravena para arrasar o nosso planeta. Para isso, eles recebem a ajuda de um misterioso velho, que lhes conta a história de seus antepassados místicos e lhes entrega medalhões com poderes especiais. Os dois seguem seus caminhos paralelamente, mas o destino teima em cruzar suas histórias mais uma vez. O casal passa a viver entre mundos diferentes: um de sombras e outro de televisão, um de problemas familiares e outro de amor platônico, um de medo o outro de heroísmo, uma metáfora da complicada e controversa vida adolescente.
Quando faltava apenas um capítulo para terminar de lê-lo, este livro mágico me foi roubado, de modo que eu nunca vim a saber o final da fascinante história.
Mais foi aí que algo mágico aconteceu! O meu interesse pelo livro era tão grande, que passei a inventar o final da história todas as noites sentado na minha cama, munido de papel e caneta. Não me lembro ao certo quantos finais diferentes eu escrevi, nem tão pouco os tenho guardado. Mais o fato é que este acontecimento me fez perceber que haviam milhares de mundos dentro do meu pensamento, e que a escrita era capaz de transformá-los em uma espécie de realidade figurada.
Durante muito tempo eu amaldiçoei o ladrão que me roubou. Mais hoje percebo que estive errado. Graças a ele, eu me apaixonei pelas palavras, me apaixonei pela escrita, e descobri que havia criatividade dentro de mim.
Eu posso morrer sem saber o final daquele livro, mais não me falta imaginação para imaginá-lo!

sábado, 23 de abril de 2011

Feliz Páscoa!

“Disse Pois Jesus - E eis que eu estou com vocês todos os dias, até o fim do mundo -”.
Mateus 28; 20

Cantem todos, cantem todos! Olhai e vede que nosso senhor está vivo. 
Sinta sua presença. Abrace seu semelhante e comemore!

Pois Jesus VIVE!

UMA FELIZ PÁSCOA A TODOS!

Gato no Telhado




Esta noite acordei assustado
Olhei pra cima e que surpresa!
Vi um gato no telhado.
Um bichinho de estranha beleza

Ele era gordo, forte e altivo
Porém seu olhar parecia ausente
Andava de um jeito manso, cativo
Como criança querendo presente.

E eu ainda meio dormindo
Vi o gato lá do alto sorrir.
Tão rápido como se estivesse fugindo
Observei-o pular e partir

Num frenesi de emoções sem sentido
Meu coração se sentiu partido
Ao ver o bichinho me deixar

Como se tudo fosse um sonho intenso
Meu corpo parecia suspenso
Como o pulo do gato no ar.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Coração Quebrado

Os cacos espalhados pela casa
De um coração entregue a própria sorte
Meu pobre coração, o que quer que faça
Nada pode torná-lo mais forte.

O ar tem o mesmo teor pungente
Tão espesso como o pensamento
Mais forte que qualquer corrente
Que agora prende meu sentimento.

Meu coração segue quebrado
Ainda tentando amar
Um velho amor do passado
Que por vezes, só o fez chorar.

Mesmo assim, segue duvidoso
Por um caminho ocioso
Onde pode enfim sonhar

Segue em busca de carinho
Cansado de andar sozinho
Só quer alguém pra amar.

Palavras Sinceras


Se não puder brilhar, então que seja a luz.

Se não puder vencer, pelo menos tente.

Se houver derrota, pense nos que nem tiveram coragem de lutar.

Se o caminho for longo, caminhe com prudência.

Se o caminho for doloroso, chore, mais não desista.

Se os pensamentos forem vagos, reze.

Se não puder se sentir feliz, pelo menos se sinta vivo.

Se houver inimigos, lembre-se das coisas boas.

Se não houver inimigos, desconfie de algumas pessoas próximas.

Se houver indiferença, pratique o amor.

Se houver diferença, pratique a tolerância.

Onde houver guerra, procure a paz.

Onde houver ignorância, procure a sabedoria.

Onde houver mágoas, leve o perdão.

Se não puder ser amado, pelo menos ame.

Se não puder entender, pelo menos tente acreditar.

Se o caminho não valer a pena, recomece.

Se a verdade não for absoluta, não se prenda as mentiras.

Se quiser ver o arco-íris, não critique a chuva.

Se quiser ver um milagre, apenas olhe no espelho.

Se mesmo assim, quiser desistir, lembre-se que Jesus nunca desistiu de nós...

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O Grito


A força dos ventos uivantes
Tirava de mim, a esperança
Enquanto a manhã cinzenta
Me tornava apenas uma lembrança

O sorriso preso nos lábios
De quem nunca soube amar
Enganava meus próprios olhos
Que só sabiam chorar

Tudo passou muito rápido
E vidas se perderam no caminho
Quando olhei ao meu redor
Apenas me vi sozinho

Enquanto eu gritava angustiante
Meus olhos fixos,
Brilhava como diamante

Enquanto eu gritava desesperado
Alguém chorava sozinho
Relembrando meu passado
"A vida vai ser sempre uma história contada as avessas. Cheia de um eufemismo eufórico e displicente."

Enquanto isso, grita feroz dentro de mim,
O pobre e enigmático "EU" abstrato.

Olhando para trás


Quando olho pra trás
E vejo meus rastros sobre caminhos incertos,
Não chego a pensar que tudo foi em vão.
Houve muito mais em mim do que o tempo pode dizer.
Houve razão.
E algumas vezes silêncio.
Só colhi o que plantei.
E só amei quem realmente mereceu o meu amor.
Quando olho pra trás,
Vejo um passado um tanto incerto.
Vejo desavenças e até algumas pessoas falsas.
Mas também vejo um jovem garoto, aprendendo a sonhar.

A essência do que fomos, não muda o que somos.
O passado é apenas uma coisa que ficou.
No fundo, não são nossos caminhos que nos definem.
São nossas escolhas.
Quando olho pra trás, vejo tantas lembranças
E só um amor de verdade
As ilusões, em seu ponto mais crítico
Também nos ensinam a viver.
Certeza, só tenho uma.
A de que vou continuar caminhando
Até achar o caminho que me leve de volta até meus dias felizes.
Porque o importante é não perder o foco.
E sempre manter a caminhada...

terça-feira, 12 de abril de 2011

Pensamento Indulgente


Um belo dia, quando eu acordar, vou perceber que minha vida nunca foi mais que um mero poema. E quando isso acontecer, vou ter certeza que as rimas meio que descompassadas, não nasceram ao acaso, mais sim morreram com o mesmo pudor pungente de quem nunca viu a luz de um dia calmo.
Porque a morte é o começo de um novo ato. Não é necessariamente o fechar das cortinas. É o Público quem muda, mais o espetáculo continua sendo exatamente o mesmo.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Pages - 3 Doors Down (Traduzida)

O que acontece com um homem quando
Ele derrama seu coração sobre uma pagina e
Ele vê as palavras flutuar em seguida..
Seus sentimentos estão em uma página separada
Há espera
De alguem para lê-los
Para abrir os olhos e vê-los
Para ver, se eles podem fazer estes pensamentos próprios

Para descobrir que talvez a vida não é perfeita
Talvez isso não vale o que ele dá

Você pode ver que esta alma despedaçada está sangrando
Assim você concebe os seus sentimentos dentro de si mesmo
E imagina, através de meu coração
Permitindo que você veja através de mim
Agora ele acabara comigo
Esqueça sua dor e me assista cair.

O que acontece com uma alma quando
ela pressente o interior de suas emoções.
E todas essas palavras que ele fala
Ligam ele a vida que ele deixou para trás.
E cada novo passo que dá
Ele sabe que poderia não fazer isso
Para todos esses sonhos que ele ainda tem de aguentar.

Há doenças melhores que as doenças - Fernando Pessoa

Há doenças melhores que as doenças,
Há dores que não doem, nem na alma
Mas que são dolorosas mais que as outras.
Há angústias sonhadas mais reais
Que as que a vida nos trás, há sensações
Sentidas só com imaginá-las
Que são mais nossas do que a própria vida.
Há tanta cousa que, sem existir,
Existe, demoradamente,
E demoradamente é nossa e nós ...
Por sobre o verde turvo do amplo rio
Os circunflexos brancos das gaivotas...
Por sobre a alma o adejar inútil
Do que não foi, nem pode ser, e é tudo.

Dá-me mais vinho, porque a vida é nada.

Me diz como te Esquecer

Quase como se tudo perdesse o sentido.
Como se a vida perdesse o brilho
Ou como se o sol desaparecesse.
Eu me perdi sem você.
E a solidão me consumia
lentamente no pensamento indulgente
da vida que antes eu tinha,
e que não tenho mais.
Os poemas e sonetos de amor ficaram vazios
sem o som de sua voz.
Eu fiquei vazio sem a presença mística
dos teus olhos azuis,
e sua beleza indescritível.
Tudo que sei, é que não posso viver
longe de quem tanto amei.
De quem me ensinou que eu já era homem
por trás do garoto sonhador.
Agora, eu olho ao meu redor,
E não consigo ver.
Ainda há muita solidão à minha volta.
E volta e meia, me pego pensando em nós.
Ninguém se lembra mais daquela tarde
Em que o tempo parou.
Talvez porque, ele só parou pra mim.
Se você ainda puder me ouvir,
Gostaria que me dissesse
O que eu faço pra te esquecer.
Porque deixar de te amar,
Vai ser sempre impossível...

Falta de Sanidade

Hoje pela manhã descobri que eu havia enlouquecido.
Porque quando acordei, não me deparei com o mesmo mundo de sempre, mais algo muito mais lívido, e até infinitamente concreto.
Pude perceber que existia muito mais coisas do que eu era capaz de ver diante de mim, e sem querer entendi a grandiosidade das coisas.
Hoje de manhã, meus velhos fantasmas do passado não me perturbaram mais, e nem mesmo as velhas lembranças vieram me visitar.
Senti-me novo, e humildemente humano. Capaz de aceitar minhas imperfeições sem o imenso cinismo de sempre.
E eu era apenas o que sempre fui. Mortal, humano e Real.
Hoje descobri que eu havia enlouquecido. Porque a insanidade é exatamente isso.
A capacidade de ver o mundo não apenas da sua perspectiva de vida, mais sim da forma espontânea que ele realmente é. Feito de impossibilidades e até um certa melancolia.
E não me senti mal por ser louco. Porque pelo menos agora, eu era livre. Livre como nunca fui quando deixava a linha tênue da sanidade me controlar.
E o mais fascinante da loucura, é que não precisamos nos esconder atrás de máscaras, nem nos proteger com mentiras e falsidades. Podemos apenas ser o que somos, sem nos importar com a opinião alheia daqueles que se deixam manipular.
Mais a loucura também tem seu lado negativo. Ela Vicia. E aos Poucos acaba te matando. Pq vc já não pode viver sua insanidade num mundo tão cheio de Falsas morais, e pessoas egocêntricas e Fúteis.
A insanidade é um Dádiva Divina, que quando é controlada, torna o homem capaz de lutar por seus princípios, e defender seus ideais.
Hoje pela manhã descobri que havia enlouquecido, e senti um sorriso Brotar em meus lábios...

Ponto de Vista

Uma vez ouvi alguém dizer que os anjos não choram.
Uma vez ouvi alguém dizer que o amanhã nunca vai chegar.
Uma vez ouvi alguém dizer que nada muda o que passou
Uma vez ouvi alguém dizer que o amor causa dor quando acaba
E uma vez também ouvi alguém dizer que a esperança é a última que morre.

Acho que todas essas pessoas estão redondamente enganadas.

Os anjos podem chorar. Porque possuem alma, e as lágrimas são uma forma de limpar a alma de emoções e pensamentos impuros e negativos.
O amanhã nasce todos os dias no coração daqueles que vivem cada dia como se fosse único.
Explicações, desculpas e arrependimento são capazes de mudar o que passou, não importa quanto tempo passou.
O amor nunca causa dor quando acaba. Só se torna eterno no coração de quem amou um dia.
A esperança não é a última que morre. Pois mesmo que falte esperança, enquanto houver fé dentro de seu coração, nada poderá derrubá-lo, ou impedi-lo de lutar mais uma vez...

Viver não tem manual de Instrução!

Quanto mais buscamos respostas para o que exatamente é a nossa vida, mais chegamos a conclusão de que muito pouco nos conhecemos. Esta é uma triste verdade que nos mostra o quanto somos ignorantes em relação a nós mesmos.
Quantas vezes nos perguntamos em qual caminho nos perdemos, sem nunca perceber que todas as escolhas, todos os caminhos e todas as perguntas nos trouxeram até aqui.
E aqui, não é exatamente onde estamos. É onde estivemos ontem, e hoje já partimos em busca de qualquer outro lugar onde todas essas perguntas voltem a nos atormentar.
Talvez porque a vida seja feita destas pequenas incertezas, ou talvez, por que seria extremamente doloroso chegar até aqui, e parar. Há ainda que se lembrar de todos os erros, onde perpetuamos um passado estrondosamente egocêntrico e destrutivo. Onde a escuridão pessimista tomava posse de tudo que tocávamos, transformando em amargura qualquer sinal de esperança.
É por isso que não podemos parar. Porque na vida, encerrar a carreira, significa deixar de viver. E mesmo que seguir em frente seja extremamente doloroso, sabemos que desistir agora seria afirmar ainda mais o quanto somos ignorantes.
A vida é como uma música qualquer que alguém ouve no rádio do carro enquanto busca o filho na escola. Você não percebe que ela existe, até que ela pare. O Problema, é que no rádio, ela pode voltar a tocar a qualquer momento. Enquanto que aqui, na realidade, quanto ela acaba, é porque chegou ao fim.
Não se culpe tanto pelas mentiras. Às vezes, elas são tão necessárias e precisas apenas para manter a verdade viva e intocável, onde possamos sempre guardá-la e protegê-la como se não houvesse mais nada onde nos apoiar em momentos tristes.
E por falar em momentos tristes, como esses foram consecutivos em nossa caminhada. Tantas partidas, desencontros, decepções. Talvez não tanto quanto as alegrias e lembranças, mais sim, de fato sofremos bastante por viver da forma como vivemos.
Se tudo fosse uma história de um livro sem final feliz, seria fácil virar a página e começar uma nova história. Seria fácil tomar decisões, fazer escolhas, viver sem risco. Mais a vida faz parte de um livro em branco. Um livro sarcástico da piada mais insana de Deus. Viver é uma arte. Algo que não pode ser escrito por outra pessoa, senão por nós mesmos.
As mais diversas línguas do mundo ainda não foram capazes de inventar a palavra certa, que possa explicar o que é viver. Por incrível que possa parecer, só se descobre como é a vida, vivendo...

sexta-feira, 8 de abril de 2011

A Sociedade dos Esquecidos

Quanto eu tinha quatorze anos, eu era um jovem bem sucedido. Era popular, jogava no time do colégio, tinha muitos amigos. Mais dentre todos, havia quatro deles que eram especiais. Meus melhores amigos. Eu, o Edvaldo, o Carlinhos, o Murilo e o Jhonny éramos inseparáveis, chegamos até a formar um clube secreto chamado “Sociedade dos esquecidos” O Murilo escolheu o nome. Eu nunca entendi bem o porquê. Ele também não.
Quando terminamos a 8ª série, acabamos tomando rumos diferentes. Eu havia passado em uma escola técnica, e eles estavam estudando em outra escola.
Dois anos mais tarde, nos encontramos em nossa velha escola pra desenterra uma velha caixa de lembranças. Nossa, nós nos divertimos tanto naquela velha tarde de outono. Era uma época em que eu me sentia vivo. Sentia-me bem. As coisas estavam bem.
Quando o Carlinhos passou na faculdade anos mais tarde, eles decidiram sair pra comemorar. Eu estava namorando naquela época, e não pude me juntar a eles.
Naquela noite, eles sofreram um acidente de carro.
O Carlinhos nunca chegou a fazer a faculdade. Meus amigos estavam mortos.
Durante muito tempo, eu fiquei me perguntando por que eu também não morri com eles. Porque eu não estava naquele carro naquela noite.
Hoje já faz três anos que eles se foram. Eu voltei na nossa antiga escola, no lugar onde está enterrada nossa caixa de lembranças. Enquanto estava ali, olhando pro chão de terra batida, imaginando se meus amigos estavam bem onde quer que estejam todas as respostas surgiram em minha mente.
Eu descobri porque eu não estava naquele carro. Descobri porque eu não estava morto.
Eu tinha uma missão.
Tinha que manter viva as lembranças dos meus amigos, pois essa é a única forma de manter os antigos membros do Clube dos esquecidos bem longe do esquecimento.
Podem chamar de imaginação, de destino, carma, sina, o que quiserem. O fato é que esta é uma história real. Uma tão forte, que não pode deixar de existir, só porque a morte esteve aqui.
Hoje eu aprendi uma grande lição. Aprendi que algumas lembranças boas podem realmente salvar sua vida. Aprendi também, que onde habita as lembranças, o esquecimento nunca poderá existir.

Gente, essa aqui é pra vocês.
Onde quer que estejam.
Eu sempre estarei com vocês.

Ass: pequeno OIBAF
Membro da Sociedade dos Esquecidos.