sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Palavras eternas

















As palavras que divagam
Viajam
Mas nunca se calam
São levadas pelo vento
E entram pelo ouvido desatento
Até encontrar o firme pensamento
E lá faz morada residente
Persistente
Resitente
Consciente
De que palavras
Mesmo que não faladas
Ou  às vezes gritadas
Até as não ditas
E as malditas
São nossa fonte inesgotável de poder
É onde mora nosso saber
E nos abre a mente
Que reluta impertinente
Em entender
Que as palavras também é uma forma de viver
Não para sempre
Mas eternamente
Vivo
No que um dia, dissemos com convicção 

domingo, 10 de setembro de 2017

Sobre Ele






















Ele tinha na alma cansada
O peso de quem não sabia de nada
E carregava no olhar profundo
Todo o peso do mundo

Ele tinha o descompasso
Que apertava o peito feito laço
Nos pensamentos tão distantes
Que sempre soavam tão destoantes

E lá no fundo de si, tinha algo que sussurrava
Que o coração que há muito não amava
Estava prestes a encontrar
Um novo e bom motivo pra sonhar

E enfim, esqueceu de todo sofrimento já vivido
E permitiu ao seu coração ainda ferido
Sentir um forte amor novamente
Permitiu-se demonstrar, de novo o que sente

E ao se permitir, foi ser feliz.
Porque ele ainda era um jovem aprendiz
De poeta que vive de amor
Aprendendo a plantar flor
Onde antes só havia dor. 

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Outra ausência

Mais uma vez o poeta pede licença e pode se ausentar por uns tempos, mas desta vez é por uma "boa causa" 

Estarei dedicando meu tempo e minha escrita num novo projeto. Aqui no blog, poucos sabem, mas eu também escrevo contos de suspense e agora estou empenhado na construção do meu primeiro livro, um romance policial que já está ganhando forma. 
Então por hora, terei que deixar a paixão da poesia fluir apenas vez ou outra, até concluir meu projeto. Mas não deixarei o blog, estarei sempre aqui e sempre que a poesia me visitar. 



Por hora, deixo a sinopse do meu futuro livro e peço a torcida de todos que me acompanham para que meu sonho enfim se torne realidade.

De volta a cidade do Medo. 



Fred leva uma vida tranquila numa cidade do interior paulista, até que sua vida sofre um grande abalo. Após passar por uma tragédia e ter que lidar com a responsabilidade da culpa, ele decide deixar sua cidade natal e mudar-se para a capital, tentar recomeçar a vida longe das lembranças de seus erros
.
Sete anos se passa e ele é agora Frederico Machado, investigador da DHPP de São Paulo, mesmo atormentado pelas lembranças do passado ele consegue seguir sua vida solucionando homicídios e está prestes a ser delegado. Mas então uma ligação no meio da noite de um antigo amigo do passado muda tudo.
Na manhã seguinte, lê nos jornais que Murilo cometeu suicídio. O mesmo amigo que na noite anterior lhe fez uma ligação misteriosa e cheia de palavras que antes pareciam desconexas, mas que agora lhe dão apenas uma certeza, não fora suicídio. Seu amigo havia sido assassinado.
Fred então terá que voltar a cidade que lhe traz péssimas lembranças, uma cidade que lhe traz recordações que ele não quer relembrar. Mas é obrigado a enfrentar os fantasmas de seu passado para solucionar o assassinato de seu amigo.

Junto com outro velho amigo que agora é delegado, Fred e Edvaldo logo vão descobrir que a morte de Murilo foi apenas o começo. Outros eventos misteriosos vão colocar a sanidade de Fred a prova e ele terá que lidar com seus demônios pessoais, terá que remexer em velhas e doloridas lembranças na tentativa de capturar um misterioso assassino que parece ligado a seu passado e dedicado a vê-lo cada vez mais perdido em seus medos e tormentos.
E logo ele descobrirá que a vida de todos a sua volta correm um grande risco…

De volta a cidade do Medo é um romance policial que levará o leitor a uma enigmática caçada a um assassino misterioso e calculista, ao mesmo tempo em que despertará a curiosidade de seus leitores sobre o intrigante passado de seu protagonista cheio de lacunas e mistérios, é um livro que nos fará pensar até que ponto somos capazes de enfrentar nossos medos sem perder a sanidade.

LANÇAMENTO EM BREVE

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

A sombra do mundo

(Texto escrito em 2009)

















O mundo é um abismo.Um abismo imundo e insano onde os suicidas se jogam um a um cabeças abaixo.
Não precisamos tanto assim de sinceridade. Até porque a maioria delas só mostram um lado de duas opiniões E no fundo, sinceridade demais machuca.

Um belo dia desses eu vou acordar e o mundo inteiro estará mudo. E então as opiniões deles não significará mais nada para mim e para mais ninguém.
A vida na verdade é bem mais simples de se viver, se você souber lidar com ela. O fato é que nós fazemos a enorme questão de dificultá-la. Nós a complicamos de tal forma que por inúmeras vezes fica tão difícil continuar única e exclusivamente pelos caminhos que trilhamos em nossas mentes.
No fundo, tenho pena de minha sombra que não pode escolher seu próprio destino

Mas a grande verdade dessa vida é que todos nós somos iguais as nossas sombras. Vivemos dominados pelo mundo e por nossos medos. E são eles quem controlam nossos caminhos e muitas vezes trilham nosso futuro.

No fundo, nós somos a sombra do mundo. 

Águas da vida


















Incompreensível sentimento

Que não passa com o tempo
E aumenta mais a cada dia
Trazendo consigo sempre nova poesia

E a vida que passa sem pressa
Deixa mágoas ainda doloridas
Mas um dia, toda dor sempre cessa
E esquecemos as lágrimas sofridas

Corremos ao encontro do que nos faz bem
Deixando de lado tudo que nos faz mal
E sempre encontramos  em alguém
Algo que nos torne especial.

E mais dia, ou menos dia
A vida se renova
E se reinventa com certeza.

Talvez até nos traga alegria
Que sempre nos comprova
Que as águas da vida sempre seguem a correnteza...